terça-feira, 15 de abril de 2014

Resumo do encontro para Formação e Aperfeiçoamento na área do Atendimento Fraterno



No ultimo dia 12 de abril, no Instituição Espírita Casa do Caminho em Ingleses, tivemos a oportunidade de, em mais uma tarde de evento do GIEE/Norte, aprofundarmos conhecimentos dentro desta área.

Carla Stavinski abordou de forma muito simples e esclarecedora, a hierarquia das
necessidades humanas (primárias e secundárias); a visão sistêmica do ser em seus aspectos bio-psico-sócio-espiritual, percebendo a pessoa como um ser global, integral, para que possamos atendê-lo, esclarecê-lo dentro de suas reais necessidades.
Também tivemos informações necessárias destinadas aos trabalhadores, ou seja, o que os mesmos devem possuir e o que devem conhecer para esta atividade. Foi abordada e detalhada as etapas do Atendimento Fraterno, tais como recepção, triagem, acompanhamento e outras entrevistas complementares.

Houve um enfoque também na questão da Assistência Espiritual (esclarecimento + consolo + orientação) e algumas recomendações e lembretes importantes, tais como: a entrevista ser facultativa; o Atendimento Fraterno não ser um tratamento e sim uma assistência, por isso, nada de anunciar cura nem prescrever tratamentos fora do âmbito espiritual; o entrevistador não deve dar orientações mediunizado; não incentivar declarações de foro íntimo e evitar dar opiniões pessoais; falar com simplicidade; não encaminhar para reuniões mediúnicas, entre outros.

Também foi trabalhado a questão do encaminhamento para àquele que passou pelo Atendimento Fraterno, como explicar
o funcionamento do centro espírita que foi procurado por ele; o que consiste o passe espírita (receptividade e os benefícios); sugestão de se praticar o Evangelho no Lar; uso constante da prece e foi lembrado, também, que as entrevistas não devem coincidir com as palestras.

Outros informes oportunos também foram abordados, bem como o aprimoramento da atividade (de forma qualitativa e quantitativa) e a importância da integração para promover a libertação da pessoa, ou seja, o assistido de hoje é o trabalhador de amanhã com a tarefa permanente da reforma íntima.

Foram muitos os aspectos abordados dentro desta temática e isso nos possibilitou um momento único de aprendizado e socialização, onde reforçou-se a ideia de que o Centro Espírita é um campo de trabalho, entre tantos outros, onde o Cristo espera que a distribuição de sua misericórdia seja prodigalizada.


Por: Monica Scófano


Nenhum comentário:

Postar um comentário